Dólar sobe nas alturas? Aprenda a ter seu investimento protegido!

Um cenário desfavorável para quem costuma ter investimentos na Bolsa de Valores é um desequilíbrio quando o assunto é a moeda mais comercializada dentro da Bovespa além do real: O dólar norte-americano. Qualquer alta vertiginosa ou queda em demasia acabam deixando uma instabilidade no ar quando nos referimos ao cenário econômico, algo que evidentemente é muito prejudicial para quem investe.

 No momento atual do Brasil, temos um panorama que reflete muito bem um dos exemplos citados acima que se refere ao preço da moeda estadunidense bem mais elevado que o normal. Analisando por esse ponto, é muito importante principalmente para os investidores que desejam adentrar o mercado financeiro via Bolsa de Valores estejam atentos a como proceder de maneira que o índice do dólar não prejudique suas iniciativas.

Títulos emitidos no exterior

Mesmo sendo uma iniciativa que demande uma quantia mais substancial de dinheiro, a subida vertiginosa da moeda estrangeira demonstra também uma possibilidade interessante a quem deseja usar essa elevação como uma chance de fazer incursões no mercado financeiro do exterior.

Entretanto, vale lembrar que, apesar de ser uma ação que tem ficado bem mais simples e interessante nos últimos anos e estar protegida das influências pesadas que são constantemente causadas pela inflação, é necessário um planejamento tão ou mais cuidadoso do que em aplicações no âmbito nacional, além de uma preferência aconselhável pelos investimento a longo prazo.

Títulos de renda fixa

Uma alternativa que surge como boa opção diante do turbilhão econômico é aplicar nos investimentos determinados como por renda fixa, que são os casos de alguns fundos de investimentos e, principalmente, os títulos do Tesouro Nacional. Por já estarem com seus valores de venda pré-fixados, eles simplesmente não sofrem com as diversas variações e a chamada volatilidade do mercado financeiro, estando protegidos também com o impacto da inflação.

Além de ter uma importante estabilidade, que dará mais segurança ao investidor que ainda não possui tanta experiência na área ou mesmo para os veteranos investidores que desejam uma maior tranquilidade nessa altura de sua vida, o valor de apenas R$ 30 para se poder iniciar a compra de um título do Tesouro se mostra muito acessível e atraente.

Corra da poupança

Pode parecer uma obviedade a qualquer panorama econômico não ficar preso a rendimentos da famosa caderneta de poupança quando se conversa com um investidor, porém existem ainda alguns mais relutantes, encarando como imprudente o ato de adentrar em uma compra de ações ou títulos. Pois agora, nessa situação de inconstância mercadológica, é exatamente onde se pode dizer que a poupança se torna, dentre as alternativas existentes, a opção menos vantajosa.

Isso porque, estando seu dinheiro absolutamente parado na condição de rendimento, as chances de ter ganhos irrisórios, é não só muito provável como uma realidade. Para se ter uma ideia do peso que pode ter escolher colocar seus rendimentos na poupança atualmente, os ganhos reais para esse aspecto, segundo dados medidos no final de 2014, chegaram a meros 0,6%.

Comentários